Terça, 16 de outubro de 2018
(11) 98373-2619
Polícia

02/03/2018 ás 20h12 - atualizada em 06/03/2018 ás 10h34

78.807

Redação

São Paulo / SP

Júri condena policial a mais de 119 anos de prisão por participação em chacina
Segundo a acusação, o motivo da chacina foi vingança pela morte de um policial militar e de um guarda civil ocorridas na mesma semana.
Júri condena policial a mais de 119 anos de prisão por participação em chacina
ALOISIO MAURICIO/ESTADÃO CONTEÚDO

O Conselho de Sentença, formado por quatro homens e três mulheres, condenou hoje (2) o policial militar Victor Cristilder Silva dos Santos por participação nas chacinas de Osasco e Barueri, no dia 13 de agosto de 2015, que resultaram na morte de 17 pessoas. A pena de Cristilder é de 119 anos, 4 meses e 4 dias de prisão em regime inicialmente fechado.


O júri popular foi realizado no Fórum de Osasco e teve início na terça-feira (27). O policial foi acusado pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública de ter trocado mensagens no celular com um guarda municipal para combinar o inicio e fim do horário da chacina. Além disso, ele dirigiu um dos carros usados no crime e atirou nas vítimas. Cristilder foi acusado de homicídio e tentativa de homicídio contra 16 pessoas, com quatro qualificadoras: motivo torpe, recurso que  dificultou a defesa das vítimas, formação de quadrilha e por integrar grupo de extermínio.


Segundo a acusação, o motivo da chacina foi vingança pela morte de um policial militar e de um guarda civil ocorridas na mesma semana.


LEIA MAIS: 


Defesa vai recorrer de sentença que condenou policial por chacina em Osasco

Julgamento de policial acusado de chacina tem revelação de nomes de testemunhas

Julgamento de policial acusado por chacina em Osasco entra no terceiro dia

Testemunhas de defesa e acusação são ouvidas no segundo dia de julgamento

O julgamento foi desmembrado em dois. No primeiro, ocorrido em setembro do ano passado, os sete jurados condenaram os policiais militares Fabrício Emmanuel Eleutério e Thiago Barbosa Henklain, além do guarda civil Sérgio Manhanhã. O policial Fabrício Emmanuel Eleutério foi condenado à pena de 255 anos, 7 meses e 10 dias de prisão. O também policial Thiago Barbosa Henklain recebeu sentença de 247 anos, 7 meses e 10 dias. Já o guarda-civil Sérgio Manhanhã foi condenado a 100 anos e 10 meses. As penas somam mais de 600 anos.


Acusados de atirar nas vítimas, os dois policiais respondiam por todas as mortes e tentativas de assassinato. Já o guarda-civil, segundo a acusação, atuou para desviar viaturas dos locais onde os crimes foram praticados e foi denunciado por 11 mortes. Eles responderam por homicídio qualificado, por motivo torpe, com emprego de recurso que dificulta a defesa das vítimas e praticado por grupo de extermínio, além do crime de formação de quadrilha.

FONTE: Agência Brasil

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium