domingo, 16 de dezembro de 2018
(11) 98373-2619
Colunistas

01/02/2017 ás 10h00 - atualizada em 03/02/2017 ás 19h15

410

/

EMPATIA
Não existe explicação darwiniana para este dom
EMPATIA
 

Empatia é um dom que as pessoas têm, em menor ou maior intensidade, de sentir o que outra pessoa sente. É poder estar no lugar de alguém, sofrer como se fosse com a gente, festejar e apropriar-se da mesma alegria. Não existe explicação darwiniana para este dom, já que em nada ajuda a sobrevivência do empático vis a vis quem não o é. É quase impossível determinar como funciona a empatia; quem a tem sabe do que se está falando, quem não sabe, boia.


Há pessoas que, simplesmente, não tem empatia. Entre estes encontramos os sociopatas, cuja falta de empatia é sua característica mais marcante. É, por exemplo, o caso dos serial killers, capazes de não só matar, mas também torturar, suas vítimas. É igualmente comum entre grandes CEO´s e líderes políticos (por exemplo, é contraditório afirmar ser empático e defender que os fins justificam os meios…). Um político que tem empatia defenderá, de um modo geral, a democracia; o não empático, via de regra, será um líder carismático e totalitário.


Um fenômeno de empatia instantânea e coletiva ocorreu na Colômbia, quando da queda do avião que transportava o time do Chapecoense. Tudo foi feito para minorar o sofrimento da espera pelos corpos pelos familiares e amigos dos mortos. O time local, que iria disputar uma copa com o time brasileiro, sentiu de tal maneira a dor da tragédia que ofereceu a taça para o adversário ceifado pela queda da aeronave. Suas lágrimas foram tão intensas como se fossem da mesma família que os mortos.


A corrente de solidariedade no Brasil foi igualmente intensa: era quase possível senti-la fisicamente. Chorou-se em bares e lares, escritórios e igrejas. Só uma pessoa destoou do clima de empatia: nosso Presidente. Ficou na dúvida se ia ou não a Chapecó, avaliando a possibilidade de ser vaiado. Uma vez lá, pensou em restringir sua presença a uma cerimônia burocrática e oficialesca no aeroporto; a muito custo, acabou indo para o estádio da Chapecoense, onde as famílias e amigos aguardavam os seus entes queridos.


Nós, os brasileiros de todo o país, só queríamos que nosso Presidente nos representasse junto à comunidade enlutada, transmitindo nosso pesar, tristeza e solidariedade. Mas parece que foi pedir demais a alguém que demonstrou não ter a menor empatia.


Na foto: Colombianos acendem velas em homenagem às vítimas.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium