domingo, 16 de dezembro de 2018
(11) 98373-2619
Mundo

11/02/2017 ás 22h00 - atualizada em 13/02/2017 ás 00h51

766

Redação

São Paulo / SP

Jornalistas da Record são libertados na Venezuela
Ambos passam bem e devem chegar em solo brasileiro na segunda-feira. Ainda não há informações sobre o que ocorreu durante a detenção, nem se os equipamentos dos profissionais foram devolvidos.
Jornalistas da Record são libertados na Venezuela
Leandro Stoliar - Foto: Reprodução Facebook

Os jornalistas Leandro Stoliar e Gilson Souza, da Rede Record, que investigavam denúncias de suborno por parte da construtora Odebrecht na Venezuela, foram libertados no início da madrugada deste domingo (12) depois de serem detidos, no sábado, pelo Serviço de Inteligência venezuelano no Estado de Zulia, no norte do país.


"A comissão do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) os deteve e os acompanhou até sua sede em Maracaibo para ter uma entrevista. Ao chegar, tiraram seus telefones celulares. A Transparência Venezuela exige sua libertação", declarou a ONG Transparência Venezuela em um comunicado.

Também foram detidos os ativistas José Urbina e María Jose Túa, coordenadores na cidade de Maracaibo da ONG, que os acompanhavam. Os quatro estavam gravando imagens da chamada ponte de Nigale, uma estrutura prometida em 2005 pelo então presidente Hugo Chávez, morto em 2013, e até hoje não concluída. Ela seria uma segunda opção para passagem de veículos sobre o Lago de Maracaibo.


Em nota, a Abratel (Associação Brasileira de Rádio e Televisão) diz que todo o material jornalístico produzido pela equipe de reportagem da Record foi apreendido. A entidade ainda classificou a ação do governo venezuelano como algo digno de "regimes ditatoriais que não aceitam o livre exercício da imprensa e temem a verdade."


Segundo a assessoria de imprensa da emissora, eles devem ser levados hoje para Caracas em um voo da polícia, de onde embarcam de volta para o Brasil. Ambos passam bem e devem chegar em solo brasileiro na segunda-feira. Ainda não há informações sobre o que ocorreu durante a detenção, nem se os equipamentos dos profissionais foram devolvidos. 


Mais cedo, a Record afirmou em nota que eles "foram perseguidos e detidos, sem explicação" e que "repudia esta atitude violenta e radical que fere a liberdade de imprensa". O Itamaraty confirmou que foi notificado pela emissora brasileira das prisões, e não pelo governo venezuelano. 

Propina paga pela construtora brasileira